sexta-feira, 30 de abril de 2004

Poema de António Aleixo, de Goyânia (Brasil):


AMÔ CAIPIRA

(em goianês)


CAPÍTU V



Cabei di crê qui tô na pió
Temperatura árta di fazê dó
Inté a saliva çecô no gogó
Páçu o dia todo sem fômi
Dinoiti ficu variânu cum seu nômi
É só drumí qui sonhu côçê
Num é pezadelo pódi crê
Nem é cachássa, pois parei di bebê

Mais manhêçu di ressáca
Cá bôca cum gosto di jáca
Ieu si levântu quiném fera acuáda
Pur quarqué coiza brigo di pauláda
Amânçu sóssi cumê castanha di barú
Ô tumá suco di côvi cum umbú
Quási drúmu cum xá di camumila
A prova é o tamânhi da pupila

Vóismicê tá mi fazênu di caxôrro
Bânu o rabo, regânhu os dênti i côrro
Num sei latí mais tússo i grito
Purcima çê inda mi páça pito
Diz qui sô i mi fáis di otáru
Minha moráu num váli um saláru
Aí meu prásma péga fervê
Sóqui asseito tudo qui vênhi dôçê

Prá tê corági di otróra ti isquecê
Já sei o qui vô fazê
Vô tumá vapurúbi no café
Charopáda di foiági di imbé
Degustá bala di menta
Rispirá rapé di pimenta
Si num si isquecê cuêçi besterol
Vô si abasteçê di metanol

Arezorví cunsurtá um dotô
Pois inté agora nada adiantô
Ua vêiz qui num póçu morrê di amô
Si o médico arreceitá
Inté begacê vô tumá
Quéça inrrolassão sua inmim
Vô cuntinuá suzim
I vai çê meu fim



Agora fiquei cas mãos tudo durmênti
Os cabelo saíno no pênti
Upúra cári nus dênti
Nunsei cumo, foi direpênti
Içu é duênsa di babáca
Num cunsígu mi livrá déça inháca
Tô cu ispinhássu tudo quebrádo
No pirígo di ficá alejádo

Pur ôçê tudo tentei i fís
Mi banhei cum água di anís
Mêmu xerânu oçê num mi quíz
Çê num mi qué nem pintado di ôro
Meu conçôlo é si derretê im xôro
Éça paxão tá ua disgrama
Num supúra nem inframa
Só mi resta pastá grama

Num dianta grévi nem jejum
Pará di cumê dijeito nenhum
Vô cumê rúcula, catráia i xicória
Pá vê si mudo éça istória
Deu ficá ti amânu dizisperádo
Asvêis inté quási alopádo
O dióta aqui vai bebê píulas mepática
Tarvêis ti vêju um pôcu cimpática

Vô pegá cum Santo Antõe i Sanjão
Pelumênu sôcê dexá ieu pegá na sua mão
Já qui num pódi um biliscão
Só triscá levim di raspão
Todosantos mijudarão ieu côçê si cazá
Ti arricumpênçu cum inçopádo de cará
Num vô paquêli lugá
Nem dianta mi mandá

Sieu morrê oçê çerá prosseçada
Si ficá provádo quié curpada
Além diquê vai ficá viúva
Jogáda pás trássa i pás saúva
Tênhu tistimunha afiançáda
Qui oçê fêis tudo primiditáda
Bulinô cumigo no iscurim
Adispois çê meteu os pé nimim





Tô morrênu a míngua
Tá derretênu inté a língua
Cada dia tô mais bandonádo
Mi dá omênu um piqueno oiádo
Intão só pisca o zói pramim
Só ua vêis, tadim de mim
Dêxa o taxo cá firvura vênhi dibáxo
Vô parti prá ôtra mêmu quiçeja só cáxo

Sô um fiduma égua dum pelêgo
Fálo fálo mais cálo cum chamêgo
Oçê cuma é danada di traquina
Muntio ispérta i sábia
Vai mi levânu na lábia
Nada di mi alizá nem fazê cafuné
Oçê só mi manda os pé
Vô ti vênu drobá a isquina

Num tô nem pricupádo
Num minteráça o rizurtádo
Tô iguáli cavalo xúcro
O qui vié é lúcro
Gálfo cazála cum cuié
Ieu quero é piçuí uma muié
Só qui oçê fica fazênu cu dôci
Si pelumênu vírgi fôci

Oçê é muntio dáa atôa
Foi mais usada qui ársa di ataúdi
Nem tem mais saúdi
Tênhi sífili, gonoréa i currimêntu
Já prudeceu tudo purdêntu
Derreteu rim, básso i purmão
Tá caínu as duas mão
Ieu inda ficu tiamânu di bôa

Mais doçê num ispéro nada mais não
Agora çê mi dá é comixão
Num quero tivê naminha frênti
Num ti quero nem forçádo
Nem cum puliça i argemádo
Si cabô a rusga dagênti
Ruma ôto trôxa. Si vira!
Adeus adeus amô caipira



quinta-feira, 29 de abril de 2004

Poema de António Aleixo, de Goyânia (Brasil):


AMÔ CAIPIRA

(em goianês)


CAPÍTU IV



A tristeza i a pasmaçêra mi difinháva
Táva mais rúnhi cada dia qui paçáva
Num sabía si vivía ô si mi matáva
Arrezorví si cortá di cutelo
I na firída paçá pasta di cogumelo
Já qui pumada di nada rizurvía
Avenca, sarva i funcho mais duía
Si isfreguei cum erva santa maria

Pelumênu a dô si aliviô
Mais suncê nem arreparô
Na baita chága qui ficô
Quíço a preção ficô báxa
Deu ponto i inrrolô faxa
Mi derum rifrigerânti guaraná
Adispois butô imprásto di sabiá
Nadíca di sicatrizá

Só sára si ôçê vié mi acarinhá
Ô soçê dexá ieu ti agarrá
Si num vié sô bem capáis di si falecê
Pur um maxucadim ieu vô si morrê
Quero sê no capríxo imbarçamádo
Pá sê muntio tempo veládo
Sipussívi xorádo pur carpidêra
Num quero dôçê sê a xoradêra

Pois oçê di mim num tem dó
Póço inté tumá água di timbó
Qui mata cuma cartuxêra
I quiném facada di pexêra
Pur oçê tô perdênu o tezão
Só tívi disgosto i xatiação
Nunca tívi um tiquim di sastifassão
Agora só tênhu dó i haverssão.

Vô mi venená cum xá di juá
Misturado cum sôpa di croá
I acerola i fôia di mustárda
Qui dirrúba divagá mais num tárda
Sibênhi qui já tô um trapo
Mi debilitei cum licô di jenipapo
Mais pramim si arrebilitá
É só ieu ti si namorá



Nun vai çê minha i nem di ninguém
Vô ti fazê minha refém
Ti tiro duquí ôçê diz sê seu paláço
Ti môio i ti fásso um bagáço
Ti infío num ôco di imbaúba
Difóra num fica nem a juba
Ti amóito na rama di urtiga
No mei di baçôra ô dibaxo di ispiga

Só vô ti libertá quando midé na têia
I oçê vai tá uma megéra di fêia
Aí vô bebê pinga cum muricí
Misturada cum vim di assaí
Mêmu bêbo num vô ti traí
Nem cum árco di burduéga
Sibênhi qui oçê meréssi uma isfréga
Prá largá di sê bréga

Sieu tivé mênu máli
Vou mandá pubricá no jornáli
Uma foto sua na cápa
Representânu uma atrís di novela
Di paressênça cua míz do Brasíli
Vão tidá num é déis é nota míli
Ninguém nunca víu tão bela
Vai tá vistida cum rôpa di nápa

As mãos carsáda di lúva
Sigurânu cabo di guardaxúva
A mais líndia do pranêta
Mais ôto otário num ti qué
Nem Juaquim nem Jão nem Zé
Anotádo cum lápi i canêta
Os ôtos fáis oçê di égua
No fim córri dôçê as légua

Num é fofoca qui vô divurgá
Tão mi matânu divagá
Argúem tem qui mi sarvá
Oçê ieu sei, num sárva ninguém
Só qué mi mandá pru além
Pur oçê ieu nem izistía
Só di mi vê cê dá azia
I córri prá si benzê na sacristía






Num si precúpi pois vô partí
Nem quero ficá mais aqui
Nôtra sumana vô sumí
Ti ispéro só éça sumana
Si num mi quizé
I si num vié
Ti dô banana
Vô namorá ôta fulana

Daquelas xarmósa cuma orquída
Perfumada do geito di margarída
Boazuda i bunitona
Fôfa i gostozona
Rica i mão abérta
Qui tudo mi oférta
Nem árta nem piquena
Nem lôra nem morena

Pódi fazê o qui dá na venta
Mais cumigo a coiza arrebenta
Num dianta fazê cara di valenta
Munto mênu ficá raivosa
Ô iscurreguênta feito babosa
Ôçê num é ancim tão corrajosa
É mió ôçê acarmá
Num resórvi amargá

Pára di agitassão
Num sô um calórda
Mais vô ti amarrá cua córda
Oçê vai vê cuma éças coiza dói
Vâmu acabá êçe ispíxa incói
Num é no trôncu nem na furquía
Si num miqué dêxa di rilía
Pára quéça simulassão

Já qui seu amô purmim babáu
I o meu pur oçê tumbém miáu
Vô xupá laranja-lima
Pá vêssi pônhu tudo incima
Purquê nóço amô foi pru ispáço
Ieu vô vortá pru cangáço
Bebê água di fava di sucupira
Adeus adeus amô caipira

quarta-feira, 28 de abril de 2004

Poema de António Aleixo, de Goyânia (Brasil):


AMÔ CAIPIRA

(em goianês)


CAPÍTU III



Meu corassão tá cum taquicardía
A mórti tavínu mêmu qui tardía
Já perdí a isperança
Di um dia ieu inxê sua pança
Com uas duas criança
Si oçê arrezorvê di çê minha
Vô ti alimentá bênhi alimentadinha
I nunca vou deixá oçê sozinha

Ieu si tórno um mulambo
Si fícu cem rango
Já si armósso um frango
I tômu duas tássa di sorvêti di morango
Aí sim, ricupéro a sustânça
Vênhi meu tempo di bonânça
Aí é ôçê qui mi repéli
Na bôca dá um gôsto di féli

Vô colá noçê iguár siamês
Grudado noiti, dia i mês
É prá mim mêmu uzá
Ninguém nem vai ti alizá
Quéru ti lambê
Inté mêmu mordê
Tudo cum munto geitím
Aféto i carím

Tô pur dimáis aburricído
Sunçê num mi dá ôvído
I num miqué pur marído
Nem alivía minha tára
Ieu fícu uma arára
Prá mi controlá i ficá no êxo
I pará di batê quêxo
Xupei articum i xerei têxo

Ingulí uns copo di beberrági
Da prânta trançági
Di nada mi valeu
Cuntinuei prissizânu di carím seu
Tumei bânhi di picão
Imbaraiei a vizão
Ingulí infuzão di beladona
Foi aí qui caí na lona



Ontônti tivi tontura a tardinha
Mi discéro qui foi o xá di buchinha
Dévi qui foi qui cumi uma pinha
Paréci qui miderum uma sova
Príço tô cum pé na cova
Vênhi paçiá no meu cazébri
Tô quemânu di fébri
Oçê mi vê i tíra a prova

Êta gamassão açaçína
Quieu tênhu pur vançê minína
Prá quár num izísti vacína
Sómêmu um banquêti di vagína
Cum xá di jambro cum girassóli
Di losna prá bebê num góli
Si repéti a urucubáca
Níço nóis si inganêmu páca

Ôçê vai mi tapiânu na ráça
Prá mim çê dá miôlo di cabáça
Nada di clariá, cada vêis mais imbáça
Tô sênu inrrolado cumo fumo
Cada dia çê fógi do meu rumo
Mais cada vêis mais mi assãnha
Vô tentá ti levá na mânha
Impurrânu cas bânha

Sei qui num tô nus seus prânu
Oçê mi léva no bico cuns ingânu
Ancim tipo mi inçabuânu
I vai qui vai mi levânu
Vô lembênu bauníla cum meládo
Nada dôçê do meu lado
Do modo qui tá éça quizumba
Ieu si vô pará na tumba

Inda mais qui tô rúnhi do fígo
Ficânu fei i xei di vitilígo
Cada dia mais çêquim di magreza
Asvêis levanta ua alegreza
Tô parecênu um palito
Pônhi ócus côçê mi vê bunito
Beleza num si pônhi na meza
Num tráis nem omênta riqueza





Mais o bânzu mi pegô di geito
Príço xóro i gêmu di dô no peito
Tá mi levânu di eito
Xá di alcaxofra num fáiz efeito
Tênhu certeza biçuluta
Prá pô fim neça labuta
I tentá isquecê déça puta
Vô tumá a merda da cicuta

Infíro qui vô ficá ná mêma
Remedêra nenhuma mi dá rêma
Meus órgus mun riági cum nenhuma bibída
Nada mi máta nem atrapáia minha vida
Num sára nem invenêna
Nem cum xá di verbena
Vô si torná um mantena
Si mi quizé liga a antena

Tô muntio surumbático
Vô rerzorvê diçê mais prático
Bebê infuzão di vinhático
Vô ficá mais carin-ozo
Cunçerteza mais amorozo
Muntio mais mais gostozo
Vô tentá nôcê incostá
Pá podê ti carinhá

Purcáusa dôçê mi renegá
Xeguei inté a dismaiá
Deus é pai num é padastro
Além díço tô dibém cus astro
I midiatamênti si levantei
Bibi xá di bárço cum jurubeba
Dei uas lambida numa guapeva
I rapidim si recuperei

Sóqui disgramô dá cumpréquissu
Ieu sei quié refréquissu
Do seu discázo i reláxo
Diôgi indianti vô virá máxo
Póssu inté sê visto cumo isdrúxo
Mais vô inxá o capim do búxo
Dô uma coçada na cafubira
Adeus adeus amô caipira

terça-feira, 27 de abril de 2004

Poema de António Aleixo, de Goyânia (Brasil):


AMÔ CAIPIRA

(em goianês)


CAPÍTU II



Dêsdi isturdía qui tô perrêngui
Inté pensei qui fôssi a dêngui
Né não, é a tár obiçeção
Pur muié qui paréci vião
Qui fáis dá tuntura i parpitassão
Judía mais qui dô di carnegão
Asvêis o cára si tórna açombração
Aí o geito é a internassão

Cem oçê num vô agüentá
Cumída ô reza num vai ajudá
Já tô pá istorá
Sieu morrê di paxão
A curpa é só sua intão
Vão ti levá pá prizão
O remórço vai ti corroê
Num quéru sabê do oçê sofrê

Quero oçê prálá di sadiínha
Só qui nem magra nem gordínha
Não tristi mais alegrínha
Não suáda mais fresquínha
Ancim tipo uma gatínha
Di mais ninguém só mínha
Póçu inté tá cum uzura
Ti quero cuma uma ismerárda pura

Ah, Minha prênda di ôro!
Tumei xá di cravo
Mais mi agrávo
Cumessei ficá bravo
Bibí xapéu di côro
Ingirí xá di amóra
Oçê ameassô í imbóra
Ancim é qui num mióra

Éça disgracêra oçê fáis cem intenção
Mais pudía pelumênu midá atensão
É coisa di mardádi i judiação
Deixá ieu isperançozo ancim di cazá
Sênu qui nem a mão num vô paçá
Tô qui não aguêntu ti oiá
Acordo dimanhã cubrído só cá frônha
Camão siriricânu uma brônha



Tráis ontônti bibi xá di canela
Misturado cum curtida di cevada
Mais garrapa di cana gelada
Caí incima da panela
No tombo quebrei o quêxo i o nariz
Inda rancô um dênti pela raiz
Basta ti incostá a mão
Sáro tudo i fícu bão

Mais fui burro i caí no seu lásso
Dêsdi qui ti dei aquêle amásso
Aí, iscriví seu nômi no meu brásso
Si iscriví cum carêta di caju
Dueu cuma ispinháda di mandacaru
Pá anesteziá bibi rabo di tatu
Incomodô cuma ferruáda di bérno
Quemô feito fogo do inférno

Mais pradiânti vô si tatuá
Um símbu que mió vai ti representá
Na barríga vô pintá uma crúis
I ua lumbríga mórta pur mastrúis
Rudiáda di fulô di jacinto
Horláda di absinto
Daí oçê vai istá cumigo
Logo assima do meu imbigo

Nos peito vô ti dezenhá
Nas costa seu apilído gravá
A ferro i fôgo
É real num é jôgo
Nem prástica vai tirá
Só a mórti pá apagá
Falá im mórti mi deprími
I oçê áxa qui mi amá é crími

Vô mi inxarcá di remédi
Prá curá êçe meu tédi
Vai sê na bázi di bôrdo i cidrêra
Infuzão di mentrasso i trepadêra
Carrapicho misturado cum alicrim
Quebra-pedra junto cum aminduim
Bânhi cum barro di cupim
Tarvêis inté si bizûntu di toiçim





Si éça remedêra num mi intochicá
É milágri do meu ânju di guarda
Quié fraquim mais num mi lárga
Si dispois dêçi adijutóro ele num pipocá
Vô fazê di tudo prá o conçervá
Si oçê quizé poçu ele ti imprestá
No seu cázo cu meu pódi vim a caiá
Di ele pô oçê pá mi adorá

Meu corpo trêmi paressênu malêta
Minha perna manca querênu mulêta
Todomundo diz qué coiza feita
Gamassão ancim é duênsa infiquiciosa
Qui in vaca é fébri fitosa
Oçê num é vaca é minha duqueza
Quási qui minha princeza
Só num é purcáuza da sua avareza

Aparênta qui não, mais é póbri
Num tênhi bens nem cóbri
Anda no centro mais móra na perifería
Sófri di diaréia i diz quié dizintería
Asvêis dá atáqui di prumunía
Inda dismáia di ipilipicía
Puríçu vô ti tirá déça favela
Fazê dôçê minha cinderela

Quem sábi inté pódi çê a gata boraiêra
Já côçê num çérvi di êra nem bêra
Só qui pramim oçê é a branca di névi
Ieu sô seu príncipi incantádo
Qui pur oçê tá infeitissádo
Pió qui sei qui num dévi
Oçê mi léva di déu im déu
Sieu ti matá vô sê réu

Módi morrê vô cumê pipíno
Lôro, ispináfri i quiníno
É o qui dá o saláro mímo
Dizem qui num sô mais miníno
I daí? Num sô, mais ôçê é traíra
Já qui tudo seu é mintira
Ieu divía ti inforcá cum imbira
Adeus adeus amô caipira

segunda-feira, 26 de abril de 2004

DES(NORTE)


Corpo chocalhado
Quebrado – rasgado
Febre e dores
Cansaço e pavores

Células que acabam
Em ritmo assustador
Chamas que se apagam
E não darão mais calor


Gabriel de Sousa

domingo, 25 de abril de 2004

Poema de António Aleixo, de Goyânia (Brasil):


AMÔ CAIPIRA

(em goianês)


CAPÍTU I



Tô munto duênti
Ôçê vê i nem sênti
Áxu qui vô morrê
A cáuza é oçê
Prá mim podê miorá
Ieu tenho qui tomá xá
Tumei xá di bago di jatubá
Firvido cum bági di angá

Mi recumendarum benzimêntu
Ô mandinga cum cascu di jumêntu
Xá di fulô di larangêra
Cum garrafada di lobêra
Infuzão di sancaitânu
Xá di fôia di mamão
Azedúmi di tamarino i limão
Direpenti fui dismaiânu

Fiquei danádo di tiririca
Cum xá di bárço i arnica
Aí si azedei xupânu mixirica
Ingulí infuzão di manjaricão
Tumei sumo de barbatimão
Misturado cum pó di çafrão
Fêis foi ieu ficá mais nervoso
Tumbém mais rancoroso

Tumei sumo di confrei
Bibí xá di damasco i carqueja
Cumí pôpa di pêçego i cereja
Mi nasserum brutoeja
Inguli maçerassão di goiába
Ingeri pápa di bacába
I saburiei licô di mangába
Foi aí qui piorei

Xí! Só ti vêju im vizági
Iguár no dizérto sivê mirági
Minha cabêssa vívi im viági
Num sei, paréci cum firmági
Áxu qui ieu tô é drogádo
Dévi diçê êçes remédi dádo
Os bão qui resórvi é os pagádo
Qui pur médico foi arreçeitádo



Cunfésso cem vergonha
Na dô di cutuvêlo pitei achíche i maconha
Quiría tê congestã cum vódica i pamonha
Tívi qui bebê remédi amárgo
Bânhi Maria di aipo, tônca i aspárgo
Bibi firvura di ramo di cajá
Éça misturêra fêis o istômo imbruiá
Indabênhi qui aliviô ancim qui garrei gumitá

Quáiz mi derum extremussão
Ah! Se ôçe tivéci aqui
Era certeza qui déça ieu ía saí
Mais vósmicê sumiu pur aí
Mi dexô na margura da vida
Fiquei trísti i cem saída
Prissízo tanto da sua guarída
Além é cráro di munta orassão

Prá divéra ieu sará
Tênhu qui ti namorá
Mais vêju qui oçê num vai dêxá
Paréci qui oçê fáis corpo móli
Noçê ninguém bóli
Num é só cumigo príço ieu fórgo
Vô ti ispreitá lá no váu do córgo
Quero só vê si aí não ti mórgo

Íçu apezar dôçê çê uma cirigaita
Mais azeda qui cagaita
I mais rúdi qui porco ispím
Mêmu ancim ti quero pramim
Ah! Si oçê fôci uma baquitéra
Pá cuntaminá minha matéra
Aí ía mi dexá treslocádo
Di prissizá sê amarrádo

Héra só mascá casca di tambu
Junto cum melancia i fôia di xuxu
Íço é batata pá acarmá
Cum batida di saputí cum gravatá
Inda mais cum suco di maracujá
Xá di cuêntu múxo dá paciênça
I ivíta munta dizavênça
Açim ispríca a ciênça





Bibí xá di cásca di angico
I paçei a noiti no pinico
O trônu di póbri i di rico
Tentei inté si afogá
Mais só fis foi mi moiá
Tocá diróda i boiá
Cuma ladíz merda num afunda
Só fédi e xuja a bunda

Num dianta ieu ficá brabo
Nem da minha vida dá cabo
Sôçê é cem gosto iguár nabo
I si iscurréga quiném quiabo
Ieu ficu di vê navíi
Cuma o tôco di amaríi
Ô as pedra no fundu do ríi
Nem tico nem taco nem pavíi

Ah! Sieu subé qui ôto ti agarô
Népussívi qui oçê açeitô
Matu ele viu sô?
Vórto a ripití travêis
Queru oçê prá mim divêis
Num aguêntu mais isperá
Ieu si vô si dizisperá
Soçê demorá vô si matá

Na cérta oçê vai ti alegrá
Cázo ieu resôrva si suicidá
Num sô ancim tão franzino
Nem tumpôco tão bocó
Vô analizá o qui é mió
Si ti dô um prezênti
Si ti dêxo direpênti
Pois sô é muntio ladino

Si vançê num mi qué
Mais tênhi ôtas qui qué
Elas diz qui sô filé
I num lárga do meu pé
Coçê déça vêis áta
Sissúmo aí dizáta
Vô ti largá i saí da sua mira
Adeus adeus amô caipira

sábado, 24 de abril de 2004

POETAS MORREM JOVENS

Estudo apresentado no Dia Mundial do Livro

Na data em que se celebra o Dia Mundial do Livro, um estudo elaborado por James Kaufman, da Universidade da Califórnia (EUA), refere que os poetas morrem mais cedo do que outros escritores. Isto «acontece porque os poetas são torturados ou auto-destrutivos, ou adquirem uma má reputação quando ainda muito jovens», referiu o líder da investigação James Kaufman à BBC.

A equipa estudou 1.987 escritores de todo o mundo que viveram nos últimos séculos e descobriu que os poetas morrem significativamente mais jovens. O estudioso incidiu também o seu trabalho na relação entre os poetas e as doenças mentais, tendo verificado que as poetisas são muito mais propensas a sofrer de doenças mentais do que qualquer outra categoria de escritores.

Segundo Kaufman, o volume de material produzido por um poeta antes dos 30 anos é sensivelmente o dobro do que qualquer outro romancista. «Um grande escritor de obras não-ficcionais que morra aos 28 anos pode ainda não ter escrito a sua melhor obra», precisou. Apesar destas conclusões, o cientista diz que a poesia não deve ser considerada uma actividade letal. James Kaufman baptizou este estudo de Sylvia Plath, em homenagem a uma poetisa que se suicidou aos 30 anos.


Traduzido e adaptado por Paula Pedro Martins (Jornalista)

sexta-feira, 23 de abril de 2004

Deliciem-se com este poema. Transcrevo agora o prólogo, seguindo-se nos próximos dias oito capítulos e, finalmente, o epílogo.
É um texto de que gostei imenso e que nos transporta a Goyânia, ao seu linguajar, a vários acontecimentos pitorescos, a aromas, a sabores…
O autor é António Aleixo, de Goyânia (Brasil) e homónimo do nosso grande poeta popular. Deu-me permissão para esta publicação, o que agradeço.


AMÔ CAIPIRA

(em goianês)


PRÓGU

Fui frexádo pelo cupido
Pur pedásso di pál cumprido
I cuntraí a duênsa du amô
É ua bestêra mais véia qui meu avô
Tudo leva crê côçê é curpáda
Jáqui mi jogava xármi as carráda
Ieu tidáva ua báita duma zoiáda
Aí ôçê caía na gargaiáda

Paréci inté coiza feita di feitiçaría
Óia qui num é zumbaría
Pachoníti ancim, Avi Maria!!!
Dalí indiênti pramim nada mais izistía
Oçê táva tampáda di sumbrinha
Isverdiáda i xêia di frorzinha
Cum anéu no dêdo
Bunita de fazê mêdo

Di ismárti na zunha
Sapato di bico im cunha
Ali na beráda da rinha
Lugá di luta di galinha
Só qui nuntava sozinha
Tinha uns cára tioiânu
Ôçê paricía tá gostânu
Jurei, éça ádiçê minha

Dissidí. Vô lutá pur éça mina
Aí ti oiei mais discarádo
Um oiá di quem qué çê amádo
Ançim um oiádo di tarrádo
Paréci qui foi a bênça divina
Ôçê virô pru lado dicá
Uma beleza di mandá pará
Iguár nunca ninguém vai axá

Ali naquele instânti
Tívi um rampânti
Falei pru mundo todo oví
A minha maió verdádi
Côçê siría minha cara-metádi
Nun tênhi o qui discutí
Ieu si incaminhei prusseu lado
Cabêssa livantada mais caládo



Ôçê num arredô pé
Tívi cunfiânça i fé
Ieu levava uma garrafa di cidra
Oçê si transformô na hidra
O pessoáu si açustô i iscafedeu
Fiquêmu só ôçe mais ieu
Cunféçu qui fiquei isbabacádo
Si aprochimei dôçê todo mamádo

Rispirei seu xêro di amburana
Mais oçê foi sacana
Mi xingô pur intêro
Inda díçi quieu era bixa
Aí, quiço sê axô uma rixa
Si afastei dôçê sorratêro
No aconxêgo do meu quárto
Si lembrei dôçê i dei um sárto

Quando xegô a madrugada
Risurví tifazê uma serenata
Imitei tóqui di viola
Isfregânu prástico di sacola
Cantei róqui i sonata
Açubiei boléro i balada
Decrarei puizía im ingrês
Foi pá ficá seu freguês

Açuntei soçê saía na ginela
Ieu dibáxo dum pé di mâma cadela
Mêmu ieu maduro si sintí môsso
Quáiz quebrei o pescôssu
Di tanto oiá pracima
Num teve çusséssu minhas rima
Çê num mimdeu trela
Ieu paçei sebo nas canela

Na saróba ua cóbra mi picô
Mais foi seu discázo qui mi matô
Num quero oçê no funeráu
Mi inxí. Agora vô çê máu
Ôçê dispertô minha ira
Pódi pegá o cavalo piquira
Muntá nele i dá o pira
Adeus adeus amô caipira

quarta-feira, 21 de abril de 2004

Poema feito em 1977, agora reescrito sem os «R»
como preconiza o nosso Governo…


25 ABIL 1974/1977

O povo do meu país éa tiste
como as ondas que o vêm beijá
éa um povo recalcado
um povo opimido
éa um povo escoaçado
um povo vencido

mas agóa que já pode falá
(sem olhá paa o lado)
e que já pode pensá
(sem tê medo dos outos)
- agóa que é live -
o povo já olha o futuo
com uma céta altivez:

ecupeada a aleguia imensa
de sê putuguês!


Como podem vê, o poema que já não éa muito bom, ficou uma méda. Obigado Duão Baoso e Paulo Pótas!!

terça-feira, 20 de abril de 2004

25 DE ABRIL – POEMA DE JOSÉ CARLOS ARY DOS SANTOS


Isto vai meus amigos isto vai
um passo atrás são sempre dois em frente
e um povo verdadeiro não se trai
não quer gente mais gente que outra gente
Isto vai meus amigos isto vai
o que é preciso é ter sempre presente
que o presente é um tempo que se vai
e o futuro é o tempo resistente

Depois da tempestade há a bonança
que é verde como a cor que tem a esperança
quando a água de Abril sobre nós cai.

O que é preciso é termos confiança
se fizermos de Maio a nossa lança
isto vai meus amigos isto vai.

domingo, 18 de abril de 2004

MANIFESTO AO POVO DO RIO DE JANEIRO

Amanhã, quando a gente abrir os jornais, as notícias vão se repetir: assaltos à mão armada, roubos de automóveis e sequestros na Linha Vermelha, na Linha Amarela, na Avenida Brasil, na rua Uranos, apenas para citar os lugares mais comuns.
Mais estudantes servirão de escudos para bandidos de toda espécie, já protegidos pela capa da impunidade, pela indiferença dos governantes e pela incapacidade de trabalho das polícias. Mulheres sozinhas ao volante e idosos em geral serão roubados em qualquer esquina, em qualquer sinal de trânsito, a qualquer hora do dia ou da noite.
Pessoas absolutamente inocentes serão baleadas ao acaso e assassinadas sem qualquer motivo.
Talvez uma ou outra notícia tristemente nova, dolorosamente nova. No mais, o Rio de Janeiro vai continuar vivendo o seu trivial de crimes, assassinatos, roubos, sequestros, impunidade e desleixo.
Ao ser entrevistados, o casal de governadores dará as mesmas respostas de sempre. Também sem nenhuma novidade. A continuar essa progressão de barbáries, o stock de respostas prontas e de desculpas esfarrapadas do casal governador vai esgotar.
Atitudes sérias, trabalho de verdade, sem verborreia e sem demagogia, lamento informar que não teremos nesses próximos quatro anos. Não se pode mesmo contar com o governo do Estado, mais interessado em defender amigos e preocupado apenas com questões políticas que nada acrescentam à vida de quem precisa continuar vivo nesse Rio de Janeiro.
A quem interessa se o 2o. Governador e secretário de segurança vai mudar de partido? A quem interessa saber se a governadora vai continuar ou vai mudar também? Em quê isso melhora ou piora a nossa vida?
Se não acreditamos mais em qualquer possibilidade de trabalho sério do casal governador, também não recorremos mais à polícia, porque ela nos causa tanto medo quanto os bandidos e também porque já perdeu o mínimo de respeito que ainda possuía. A polícia, quem diria, está sendo alvo público dos bandidos. Policiais são roubados à luz do dia, sem qualquer constrangimento.
A omissão do Prefeito é absolutamente inacreditável e incompreensível.
É claro que ele não é o responsável directo pela segurança da população, mas é uma voz que poderia sair em defesa do povo, ainda que só pelo sentimento de solidariedade. Mas há um museu que lhe tolda a visão, o raciocínio e a fala.
Portanto, cabe a nós mesmos cuidar das nossas frágeis vidas. Vamos continuar pagando todos os nossos impostos, vamos continuar vendo governadora, vice-governador, secretário de segurança, secretários e secretários de estado e seus incontáveis assessores andando de carros oficiais pra baixo e pra cima, com pose de autoridade. Mas é só.
Não esperem nada além de discursos cheios de lugares comuns e de evasivas. Do chefe da polícia civil, a frase preferida até já decorei. Ele sempre diz a mesma coisa: «este é um caso isolado».
Se nenhuma atitude concreta partir de nós mesmos, ninguém o fará por nós. E precisamos começar agora. Vamos escrever cartas e mais cartas aos jornais, às televisões, às emissoras de rádio. Vamos escrever à governadora, ao secretário da segurança, ao chefe da polícia, ao Prefeito, aos vereadores, aos deputados estaduais, aos deputados federais que dizem representar o Rio, aos senadores que foram eleitos pelo Rio. Vamos escrever ao ministro da Justiça e ao presidente Lula.
Vamos fazer abaixo-assinados, vamos colar adesivos nos nossos carros, vamos exibir faixas nas nossas janelas, nas portarias dos prédios, nos condomínios, onde quer que seja. Vamos fazer passeatas na porta do «palácio» da governadora; vamos exigir declarações públicas de vereadores, deputados e senadores.

(texto recebido da Rachel, uma amiga brasileira)

sábado, 17 de abril de 2004

A VASSOURA

Em Espanha, Zapatero e o PSOE ganharam as eleições com um programa que incluía a retirada das forças espanholas do Iraque. O programa foi feito, como é óbvio, antes dos atentados do 11 de Março.
Com uma notável transparência, Zapatero veio agora confirmar que iria retirar do Iraque em 30 de Junho (data «fixada» pelos americanos para entregar o poder aos iraquianos) e que a posição do seu Governo seria de completa oposição a todos os terrorismos.
*****
Neste extremo da Península, neste País do «faz de conta», eis que uma voz se levantou:
- Criticando a posição espanhola. A propósito, alguma vez ouviram o PSOE, então na oposição espanhola, criticar as opções do Governo português?
- Afirmando que a segurança não se compra e acabando por dizer que Portugal era um país muito mais seguro que Espanha, apesar destas cedências e posições dúbias.
- Esquecendo que na génese da presença estrangeira no Iraque está uma colossal mentira arquitectada pelos americanos e ingleses, com a colaboração espanhola e a hospitalidade portuguesa. Se houvesse moral nestas coisas, deveria haver mesmo uma retirada sem condições, um pedido de desculpas e uma indemnização pelos danos causados. Para esta última não ser demasiado grande, o derrube de Hussein seria mencionado na coluna do «Haver» apesar de ter sido uma ingerência inadmissível num País soberano. Mas como se costuma dizer «perdoa-se o mal que fez, pelo bem que soube».
*****
Com um Primeiro-ministro assim, não precisaremos de inimigos nem de terrorismos, para viver em permanente desassossego. Este nosso Primeiro, que é político de carreira, que já foi Ministro dos Negócios Estrangeiros, deve ter-se passado dos carretos. Só pode!
*****
Sinceramente vos digo: começo a ter medo de viver neste jardim à beira-mar plantado.
Medo de estar doente. Medo de ser assaltado (já fui). Medo de ser preso. Medo de não ser julgado. Medo de ser julgado.
O custo de vida a subir. O desemprego a aumentar. O Governo a desgovernar e a tornar-se ridículo e inconveniente. Os incêndios a voltarem. O nosso quotidiano a futebolizar-se. Sensação de viver num Big Brother gigante.
Só não grito por socorro com medo de uma intervenção estrangeira. Tudo já é possível. Nem sei porque raio os E.U.A. têm cá um Embaixador. Não faltam por aí representantes de Bush: no Governo, na Assembleia, nos Jornais.
Só espero que a mesma vassoura que levou Aznar, leve também Bush, Blair e Durão. Para ver se as coisas mudam para melhor, nem que seja só um bocadinho. Aliás, parece que para pior seria impossível.

quinta-feira, 15 de abril de 2004

CRÓNICA DE PÁSCOA

- Papai, o que é Páscoa?
– Ora, Páscoa é...... Bem...... É uma festa religiosa!
– Igual Natal?
– É parecido. Só que no Natal comemora-se o nascimento de Jesus, e na Páscoa, se não me engano, comemora-se a sua ressurreição.
- Ressurreição?
– É, ressurreição. Marta, vem cá!
– Sim?
– Explica pra esse garoto o que é ressurreição pra eu poder ler o meu jornal.
- Bom, meu filho, ressurreição é tornar a viver após ter morrido. Foi o que aconteceu com Jesus, três dias depois de ter sido crucificado. Ele ressuscitou e subiu aos céus. Entendeu?
– Mais ou menos........ Mamãe, Jesus era um coelho?
– Que é isso menino? Não me fale uma bobagem dessas!
Coelho! Jesus Cristo é o Papai do Céu! Nem parece que esse menino foi baptizado!
– Jorge, esse menino não pode crescer desse jeito, sem ir numa missa pelo menos aos domingos. Até parece que não lhe demos uma educação cristã! Já pensou se ele solta uma besteira dessas na escola? Ave-maria!
– Mamãe, mas o Papai do Céu não é Deus?
– É filho, Jesus e Deus são a mesma coisa. Você vai estudar isso no catecismo. É a Trindade. Deus é Pai, Filho e Espírito Santo.
- O Espírito Santo também é Deus?
– É sim.
- E Minas Gerais?
– Sacrilégio!!!
– É por isso que a Ilha da Trindade fica perto do Espírito Santo?
– Não é o Estado do Espírito Santo que compõe a Trindade, meu filho, é o Espírito Santo de Deus. É um negócio meio complicado, nem a mamãe entende direito. Mas quando você for no catecismo a professora explica tudinho!
– Bom, se Jesus não é um coelho, quem é o coelho da Páscoa?
– Eu sei lá! É uma tradição. É igual a Papai Noel, só que ao invés de presente ele traz ovinhos.
- Coelho bota ovo?
– Chega! Deixa eu ir fazer o almoço que eu ganho mais!
– Papai, não era melhor que fosse galinha da Páscoa?
– Era, era melhor, ou então urubu.
- Papai, Jesus nasceu no dia 25 de Dezembro, né? Que dia que ele morreu?
– Isso eu sei: na sexta-feira santa.
- Que dia e que mês?
– ??????? Sabe que eu nunca pensei nisso? Eu só aprendi que ele morreu na sexta-feira santa e ressuscitou três dias depois, no sábado de aleluia.
- Um dia depois.
- Não, três dias.
- Então morreu na quarta-feira.
- Não, morreu na sexta-feira santa....... Ou terá sido na quarta-feira de cinzas? Ah, garoto, vê se não me confunde! Morreu na sexta mesmo e ressuscitou no sábado, três dias depois!
– Como?
– Pergunte à sua professora de catecismo!
– Papai, por que amarraram um monte de bonecos de pano lá na rua?
– É que hoje é sábado de aleluia, e o pessoal vai fazer a malhação do Judas. Judas foi o apóstolo que traiu Jesus.
- O Judas traiu Jesus no sábado?
– Claro que não! Se ele morreu na sexta!!!
– Então por que eles não malham o Judas no dia certo?
– É, boa pergunta. Filho, atende o telefone pro papai. Se for um tal de Rogério diz que eu saí.
- Alô, quem fala?
– Rogério Coelho Pascoal. Seu pai está?
– Não, foi comprar ovo de Páscoa. Ligue mais tarde, tchau.
- Papai, qual era o sobrenome de Jesus?
– Cristo. Jesus Cristo.
- Só?
– Que eu saiba sim, por quê?
– Não sei não, mas tenho um palpite de que o nome dele era Jesus Cristo Coelho. Só assim esse negócio de coelho da Páscoa faz sentido, não acha?
– Coitada!
– Coitada de quem?
– Da sua professora de catecismo!!!

(Luís Fernando Veríssimo)
O SIGNIFICADO DAS PALAVRAS

A palavra «Ocupante» tem quase sempre uma carga negativa: ocupante é aquele que ocupa. Na maioria das vezes – para não dizer sempre – fá-lo sem o acordo do ocupado, pesem embora as explicações dadas para justificar essa ocupação.
Quando se fala em «Colaboracionistas» não se pensa na boa colaboração, mas sim nos que colaboram com o Poder face aos mais desfavorecidos.
A palavra «Resistência» transporta-nos para momentos históricos em que, por vezes com o risco da própria vida, alguns resistiram (e outros continuam a resistir) às injustiças, às ditaduras e, em última análise, às ocupações. Todos os meios serão legítimos e os «maus» de hoje, virão a ser os heróis e os governantes de amanhã.
«Mentirosos» são todos aqueles que desvirtuam a verdade, deturpando-a, ocultando-a ou mentindo deliberadamente.
*****
Transportando estas definições para os acontecimentos no Iraque, veremos que a definição de «Ocupante» serve que nem uma luva aos Estados Unidos da América. Atacaram, invadiram e ocuparam sem que para isso tivessem sido chamados.
«Colaboracionistas» serão todos aqueles que, a todos os níveis, colaboraram e continuam a colaborar com o ocupante. Eles, também, sem terem sido chamados pelos próprios iraquianos.
Adaptam-se bem à noção de «Resistência» todos os actos que têm visado lembrar aos ocupantes e seus aliados que as suas terras não são aquelas.
«Mentirosos» são, finalmente, aqueles que afirmaram existir armas de destruição maciça no Iraque e que disseram haver ligações perversas entre Hussein e Bin Laden. Alguém acredita que os Estados Unidos, com todos os meios sofisticados de que dispõem, não sabiam o que iam encontrar no Iraque?
*****
Com o desmembramento da União Soviética, a América tornou-se no único grande árbitro mundial. Curiosamente, talvez porque se trata de um País relativamente novo, nas operações de «policiamento» por esse mundo fora, aliam os meios mais modernos e secretos, a outros dignos do Far-West. Lembremo-nos do baralho de cartas com as pessoas a capturar, das promessas de recompensa pela entrega de certas individualidades «vivas ou mortas» e da partilha de empreitadas para a reconstrução daquilo que destruíram.
Infelizmente, no meio de tudo isto, Portugal – através do seu Governo – não tem as mãos limpas. «Hélas» como diriam os franceses!

sábado, 10 de abril de 2004

Sonho numa noite de Páscoa

«CRISTO ESTÁ NA MODA»

Quando Jesus Cristo passou a ver o seu nome nos cartazes dos cinemas e nas capas dos discos, a sua ambição de Artista começou a não ter limites.
Devia ir mais longe! – Limitar-se ao cinema e à canção, restringia os seus dons incomensuráveis. Sonhava agora com o teatro de revista, num daqueles palcos em que o público está habituado a assistir a grandes espectáculos. Só aí, Ele poderia demonstrar toda a gama dos seus recursos. Um projecto louco começou a germinar-lhe no cérebro...

Com todos os artistas em cena, assistia-se à apoteose final. Uma forma humana começou então a surgir junto da orquestra, vindo materializar-se em pleno palco. Com longas barbas e cabelos longos, tinha um aspecto hippy (mas imaculadamente limpo).
Foi o maestro o primeiro a ver o que se passava:
- Cristo acaba de ressuscitar! Gritou, deixando cair a batuta.
Os espectadores, que tinham julgado tratar-se de um mero truque da revista, não conseguiam articular palavra:
- Porquê no Parque Mayer? – Parecia ser a pergunta que lhes aflorava aos lábios. Entretanto já Jesus Cristo tinha tomado a palavra, virado para as coristas.
- Em verdade vos digo que ressuscito neste local para vestir aquelas que estão nuas. (e multiplicou as plumas que as cobriam...).
Assistiu-se seguidamente à cura da vedeta principal, ligeiramente rouca durante o espectáculo, e a uma marcha sobre as águas, num aquário gigante... Todos estes prodígios foram realizados sem qualquer truque. As ovações foram tais que, minutos depois, Jesus Cristo assinava um fabuloso contrato.
Seguiram-se quarenta dias de repetidos triunfos. No dia da Ascensão, porém, Jesus Cristo anunciou aos espectadores:
- Hoje, excepcionalmente, vou elevar-me ao Céu perante vós! E começou a subir, a subir... Continuava a não haver qualquer truque... Uma facilidade, uma leveza... Sentia-se que era tudo natural.
Assim que o seu herói de tantas sessões desapareceu, o público, até então mudo, rompeu em aplausos:
- Bis! Bis!
Mas Jesus Cristo não voltava. Nos bastidores, o empresário suplicava de joelhos, olhando para o ar:
- Volta meu Deus! É o público que Te pede. Pensando apenas no seu espectáculo, o empresário esquecera-se que a Ascensão é qualquer coisa de irreversível e que, naquele momento, já Jesus Cristo estava no Céu, sentado à direita de Deus Pai, e impossibilitado de voltar antes da noite de Natal.
Descontentes, os espectadores começaram a abandonar a sala de espectáculos...
- Nem veio agradecer os aplausos... Podia ter mais respeito por nós! Diziam eles.

Como rescaldo do incidente, o empresário apresentou queixa judicial contra Jesus Cristo por não cumprimento do contrato, coisa que – aliás – acontece frequentemente no mundo do espectáculo.

*******************************
NBO autor, respeita todas as Religiões (embora não acreditando em nenhuma). Este trabalho valerá portanto e apenas como ficção, e nunca (de modo algum) como crítica ou desrespeito seja por quem for. Uma nota que se impunha.

quinta-feira, 8 de abril de 2004

A Biblioteca
Por EDUARDO PRADO COELHO
«Público» de Quinta-feira, 08 de Abril de 2004

Há-de haver um último livro. Lembro-me do meu pai, já perto do fim, sentado na cama: lia Santo Agostinho. Converteu-se? Penso que não. Mas procurava outra coisa. Demasiado tarde, é claro - como sempre. Chegamos sempre no final da festa.

"Os livros são um problema" - quantas vezes não ouvimos esta frase? Ela tornou-se tão banal que, de certo modo, foi amaciando o verdadeiro problema que eles, os livros que se acumulam, são. Toda a minha vida senti um alvoroço quando numa livraria encontrei um livro que não esperava. Visitei cidades onde passava horas nas livrarias, olhando as estantes, e arrastando comigo aquela culpa de não estar a ver o mar, de não sentir no corpo o bater das ondas, de não adormecer no chão das florestas. Quantas vezes não ouvi a campainha da porta tocar e sentia o estremecimento que me anunciava que novos livros iam chegar? Ainda hoje. Ainda hoje um pacote de livros constitui uma festa. A promessa de uma festa que demoradamente se despede de si mesma.

Até que, rodeado de livros por todos os lados, decidi que iria oferecer uma parte a uma biblioteca. As bibliotecas públicas são hoje um lugar de animação cultural - quer isto dizer um lugar de vida. Ainda noutro dia pude ler a descrição de um grupo de crianças que passara a noite nas instalações da biblioteca de Oeiras: letras, jogos, palavras, sonhos, anjos de papel. A biblioteca de Oeiras é hoje dirigida por um amigo: Filipe Leal. Oeiras, Carnaxide, Algés. Achei que lhes podia propor que ficassem com alguns dos meus livros. Partiram já cerca de 3000. Talvez mais tarde partam mais.

Mas é tão difícil escolher os livros que nos vão deixar... Olhando para cada um, sinto o momento em que o comprei, a livraria em que o vi, o café onde o folheei, a praia onde o li, a cama em que ele, já no chão, vigiou o meu sono habitado de palavras mágicas. Outros, tantos outros, nem os cheguei a ler. Foram hóspedes de passagem, estiveram anos em minha casa, acompanharam-me de Paris para Lisboa, e agora separamo-nos porque não satisfazem o meu critério decisivo: "Será um livro fundamental? Será que ainda tenho tempo para o ler?" Vejo o livro envelhecido e sinto a tristeza que nele se acumula por essa espécie de injustiça de eu não o considerar essencial. Parece que ouço um queixume. Há uma caixa de cartão para onde ele deve ir, condenado pelo meu juízo impiedoso, mas talvez secretamente feliz pelo facto de poder vir a ser útil ao reformado que procura um momento de distracção, ao investigador que já não esperava pela informação que ele contém, à criança que nele aprende o território das invenções sem fim. Vou esquecê-lo. Vou esquecer em mim a alegria que me deu.

Há-de haver um último livro - um último rosto, um último objecto, um último corpo. Há-de haver um último livro - até que a porta da biblioteca se feche definitivamente.

terça-feira, 6 de abril de 2004

Para o João e para a Maria

SANGUE E PÓ

Assim que vêm ao Mundo,
ainda tão pequeninos,
tornam-se logo importantes
dando mais sentido às nossas vidas.
Conseguem transformar tristezas
em alegrias sem par
e rompem docemente os nossos silêncios
com a melodia do seu balbuciar.
Fazem esquecer as nossas solidões
e conseguem que a pureza
recupere espaço nos nossos corações.
Amam como só eles podem fazê-lo
e são amados com um Amor
diferente, quase reinventado.

Ser avô é ser feliz,
imensamente rico
e quase dono do Universo.
Ser avô é ignorar limites,
desejar viver eternamente
e tentar desacelerar os dias
para os saborear verdadeiramente.
Ser avô é sentir o nosso sangue
circular noutras artérias
e relembrar caminhos percorridos.

Ser avô é conseguir ser Tudo
num mundo em que somos quase Nada.
É transformar poeira em vida
antes dela em pó nos transformar...


Gabriel de Sousa

sábado, 3 de abril de 2004

ENSAIO SOBRE A BRANCURA

O Escritor transforma em palavras o fruto da sua imaginação, enquanto o Leitor recebe a informação, absorve as palavras e digere as ideias. Sempre achei demasiado redutora esta relação Escritor – Leitor. Para mim, a escrita é uma forma de arte e portanto tem de ser deixada ao leitor uma quota-parte da interpretação. Lembrei-me de suprimir qualquer espécie de pontuação. Deixei de utilizar vírgulas, pontos, exclamações e interrogações. Deixei ao leitor o trabalho de dar a cada texto a entoação e o ritmo que melhor lhe aprouvesse. Ao princípio houve reacções dos mais puritanos e até problemas de fôlego e necessidade de pausas para respiração. Alguns leitores voltavam atrás pensando que se tinham perdido no emaranhado das palavras. A pouco e pouco foram-se habituando e eu desejei ir mais além.
No livro seguinte suprimi tudo o que não fossem verbos, adjectivos ou substantivos. Ao leitor o acto supremo da criação literária. A ligação entre as palavras principais. Os críticos aceitaram bem esta forma de escrita e poucos se acharam capazes de manifestar discordância. Havia que continuar. Afinal eu descobria, dia após dia, a forma de sublimar a literatura como obra colectiva.
Numa etapa seguinte, suprimi os verbos. O leitor que utilizasse os mais indicados, nos tempos mais adequados. Os meus livros continuavam a ser bem aceites por todos e eu continuei imparável. Passei a ignorar os adjectivos. Cada um que me lesse escolheria aqueles que melhor lhe soassem. E a boa aceitação foi geral. Tudo estava preparado para eu atingir o clímax. O próximo livro seria um livro em branco.
Durante muitas noites, sentei-me em frente do computador e escrevi, escrevi, até o cansaço me vencer e os olhos se quererem fechar. Então, apagava tudo o que havia escrito e deitava-me tranquilo, adormecendo rapidamente. Na noite seguinte continuava. Passadas semanas, olhei com orgulho o monte de folhas imaculadamente brancas, posicionadas ao lado do computador.
Faltava o título. «Ensaio sobre a brancura» lhe chamei. O original foi para a editora e a impressão foi rápida, por motivos óbvios. Em breve os exemplares do meu novo livro enchiam os escaparates das livrarias. Na sessão de lançamento, para a qual foram convidados reputados nomes das artes, das letras e da política, a opinião era unânime: estava-se perante uma nova forma de expressão em que o leitor era cúmplice do autor, valorizando e diversificando a interpretação da obra. Formou-se uma fila interminável de pessoas que, após adquirirem o livro, queriam uma dedicatória. Desajeitada e timidamente eu lá ia escrevendo, pedindo desculpa de aquela ser a parte, juntamente com a capa, em que a imaginação do público não era necessária.
A primeira edição esgotou-se em poucos dias e as grandes editoras estrangeiras prepararam também a publicação do livro. Pela primeira vez estavam perante um livro que não necessitava de tradução.
A crítica, tirando as más-línguas do costume, foi unânime no elogio da obra. Uns debruçaram-se mais sobre o conteúdo, outros sobre a forma. Entretanto, eu – no meu refúgio – continuo a tentar encontrar modos de tornar o mundo mais branco.

quinta-feira, 1 de abril de 2004

O VOTO EM BRANCO...

Quando olhamos a ementa num restaurante, escolhemos um prato de que gostamos, ou somos sugestionados por um nome, ou agrada-nos o aspecto doutro que acabou de passar para a mesa ao lado ou, então, escolhemos um que alguém nos recomendou. As nossas escolhas, em política, seriam consideradas como «votos expressos», prova de confiança nos respectivos pitéus apesar de, muitas vezes, ficarmos desiludidos depois de os provar, pois as nossas expectativas são defraudadas. Da próxima vez, porém, escolheremos melhor.
Se olhamos o cardápio antes de entrar e não encontramos nada a nosso gosto, afastamo-nos e primamos então pela nossa «abstenção».
Se o nosso desencanto se manifesta já à mesa, quando o empregado nos entrega a ementa, aí não há abstenção que nos valha, pois já abrimos o pão e a manteiga e pedimos o aperitivo. Damos então o nosso «voto em branco». Ficamos, mas pedimos um bife normalíssimo ou uma omeleta com batatas fritas.
Daqueles que se abstêm, o dono do restaurante não se dá conta. Dirá apenas que o negócio está mau. O voto em branco, este, já o obrigará a alterar alguma coisa. «Assim não pode continuar!» Os pratos do dia ficam e estragam-se e só se vendem bifes e omeletas. Há que despedir a cozinheira, procurar novo empregado de mesa e confeccionar novos pratos. E a vida seguirá. Talvez para mudar tempos mais tarde.
Pensei nisto a propósito do último livro de Saramago. O problema é que a Democracia não tem dono. Se isto acontecesse na nossa vida política, quem despediria o pessoal e remodelaria o sistema?
José Saramago não estaria certamente a pensar num «salvador», mas assim não vale. Escrever um romance? - Perfeito, para mais com a qualidade e o estilo com que Saramago nos habituou e que lhe valeu o prémio Nobel. Mas só deitar achas na fogueira, só acenar com um pseudo-perigo e não apresentar soluções, não vale.
A Democracia, mesmo aquela meramente formal em que vivemos, pode criar soluções no seu seio. Que mais não seja a formação de um novo partido sem os vícios nem as ligações «perigosas» dos já existentes. Claro que esta solução não interessaria aos partidos do sistema, que começariam por nem querer ouvir falar nele e que acabariam talvez por se aliar, para inviabilizar ou dificultar a sua formação.
A Democracia nunca será perfeita mas, como disse alguém, ainda é o melhor sistema político que se conhece. Tivemos uma oportunidade, há cerca de trinta anos, de criar algo de inovador beneficiando dos erros alheios, mas o «sistema» recuperou rapidamente e, deixando-nos embora a liberdade formal, criou todos os obstáculos possíveis e imaginários para que não passássemos de uma democracia formal. Os responsáveis por isto ter acontecido andam por aí, rotulados de arautos da liberdade, mas liberdade SÓ não chega! A Democracia devia servir para mais alguma coisa…

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...