sábado, 30 de novembro de 2013

30 DE NOVEMBRO - YOLANDA SOARES



EFEMÉRIDEYolanda Soares, de seu verdadeiro nome Iolanda Isabel d'Albuquerque Pina Soares, cantora portuguesa, nasceu em Lisboa no dia 30 de Novembro de 1971.
Cresceu no seio de uma família com fortes tradições musicais e artísticas, particularmente o fado e a dança. Frequentou o Conservatório Nacional de Lisboa, primeiro como bailarina e depois como cantora. Terminado o curso de canto, iniciou uma caminhada para se descobrir a si própria, aventurando-se em experiências múltiplas que ela própria chamou de «Universidade Artística».
Directora, autora e cantora de quase todos os espectáculos produzidos pela empresa By The Music e, depois de uma larga experiência nos diversos estilos musicais com que teve contacto, Yolanda encontrou finalmente o caminho que a caracteriza. É uma cantora que alia influências de canto clássico, canto gregoriano, fado, pop, trance, rock sinfónico e jazz, num registo de “crossover” (fusão de várias influências musicais e visuais).
O gosto pelo fado, pela música clássica e pela originalidade, aliado à impulsividade que a caracteriza, fazem do seu trabalho uma autêntica “caixinha de música” de emoções e algo realmente diferente. A versatilidade da sua voz é um dom que ela utiliza como uma brincadeira, num mundo tão sério como o do fado. Yolanda gosta dessa diferença, pois «pretende mexer com os sentimentos de quem a rodeia, gosta de despertar emoções para mostrar que o mundo que existe dentro de todos nós é único e maravilhoso».
Em 2007, lançou o seu primeiro álbum, “Music Box – Fado em Concerto”, criado juntamente com Abel Chaves, que inclui temas já conhecidos e também alguns originais, misturando fado e música clássica. O disco contou com a colaboração de uma orquestra da República Checa e ainda cinco vozes líricas, piano, guitarra portuguesa, cravo, sintetizador e bateria. Em 2010, lançou o álbum “Metamorphosis”.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

29 DE NOVEMBRO - ANDRÉS BELLO



EFEMÉRIDEAndrés de Jesús María y José Bello López, humanista, poeta, filólogo, educador e jurista venezuelano, nasceu em Caracas no dia 29 de Novembro de 1781. Morreu em Santiago do Chile, em 15 de Outubro de 1865. Foi professor de História e Cosmografia de Simon Bolívar.
Lutou ao lado de Bolívar, pela independência da sua pátria, tendo exercido uma importante e bem sucedida missão diplomática junto do governo inglês, para conseguir apoio financeiro e militar na luta contra Espanha.
 Também foi uma figura importante nos movimentos pro-independência que surgiram então, no Chile e na Argentina.
Fixou-se em Santiago do Chile, onde foi autor de duas grandes obras – a criação da Universidade do Chile, da qual foi reitor durante muitos anos, e a elaboração do Código Civil chileno, um dos melhores daquela época. É considerado um dos maiores humanistas da América do Sul.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

28 DE NOVEMBRO - AGNIESZKA HOLLAND



EFEMÉRIDEAgnieszka Holland, guionista, argumentista e realizadora de cinema da Polónia, nasceu em Varsóvia no dia 28 de Novembro de 1948. É filha do sociólogo e jornalista Henryk Holland (antigo militante comunista de origem judaica) e da jornalista Irena Rybczyńska. A sua irmã, Magdalena Łazarkiewicz, é igualmente cineasta.
Depois da escolaridade secundária no Liceu Étienne Báthory em Varsóvia, fez estudos de cinema na Academia do Filme em Praga. De regresso à Polónia, foi assistente dos realizadores Krzysztof Zanussi e Andrzej Wajda.
O primeiro filme de que foi autora, “Actores Provinciais”, ganhou o Prémio da FIPRESCI no Festival de Cannes.
Depois da proclamação do estado de sítio na Polónia, esteve vários anos no estrangeiro (França, Alemanha e Estados Unidos). Actualmente, partilha a sua vida entre a França, os EUA e a Polónia.
Foi casada com o cenarista eslovaco Laco Adamík, que conheceu durante os estudos em Praga e de quem tem uma filha, Katarzyna Adamik, igualmente realizadora.
Entre as condecorações que recebeu, salientam-se a Medalha de Ouro de Mérito Cultural Polaca Gloria Artis” e a Cruz de Comendador com Estrela da Ordem Polónia Resituta”. Ao longo da sua carreira, já realizou cerca de trinta filmes e foi guionista e/ou argumentista em mais de vinte películas.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

GLOSA EM QUADRA





«Viver Natal é sentir…
Dentro de nós a saudade
Na alegria dum sorrir
A risonha mocidade!»
Maria José Fraqueza

ONTEM, HOJE E AMANHÃ

Viver Natal é sentir
A vida com esplendor,
Ter esperança no porvir,
Harmonia e amor.

Dentro de nós a saudade
De momentos bem passados,
Desde a mais tenra idade
Até tempos mais chegados.

Na alegria dum sorrir,
O dia é transformado
E passamos a sentir
O Mundo já melhorado.

A risonha mocidade,
Que já ficou para trás,
Deixou rugas da idade
Mas um homem mais capaz!

Gabriel de Sousa

27 DE NOVEMBRO - VERA FISCHER



EFEMÉRIDEVera Lúcia Fischer, uma das mais famosas actrizes brasileiras, nasceu em Blumenau no dia 27 de Novembro de 1951. Foi Miss Brasil em 1969, título que lhe deu projecção nacional.
Oriunda de uma família alemã, Vera – numa recente autobiografia – escreveu que o pai era nazi e que a relação entre ambos nunca foi boa. Iniciou a sua carreira como actriz em filmes pornográficos, passando depois a fazer telenovelas e cinema.
Em 1 de Setembro de 1993, aos 41 anos, foi capa da revista “Veja”. Protagonizou também dois ensaios para a revista “Playboy”, em Agosto de 1982 e Janeiro de 2000, pousando nua neste segundo ensaio, em Paris, com 48 anos de idade. Em 2000, ganhou o Prémio de Melhor Actriz, pela sua actuação na novela “Laços de Família”.
Apesar de ter feito inúmeros personagens importantes na Rede Globo, queixou-se recentemente – em entrevista à imprensa – da falta de bons convites e papéis para a TV: «Para eu voltar às novelas, quero um personagem de verdade», declarou então. Foi nomeada quatro vezes para o Troféu Imprensa, na categoria de Melhor Actriz.
Vera Fischer foi internada por decisão própria, em Julho de 2011, numa clínica de reabilitação para dependentes químicos, pois ainda não se livrara do vício em drogas. Foi o seu terceiro internamento com esta finalidade.
Durante a sua carreira, já integrou cerca de 30 telenovelas e séries televisivas, mais de 20 filmes e 5 peças de teatro. Dirigiu uma peça teatral em 2007.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

SAUDOSO MÁRIO VIEGAS

26 DE NOVEMBRO - MARI ALKATIRI



EFEMÉRIDEMari Bim Amude Alkatiri, advogado, político e ex primeiro-ministro timorense, nasceu em Díli no dia 26 de Novembro de 1949.
Cresceu na terra natal, com os seus dez irmãos. Completou a educação primária e secundária em Díli, indo depois estudar para Moçambique e Angola, onde – em 1970 – se formou em Geografia na Escola Angolana de Geografia. Mais tarde, licenciou-se também em Direito Constitucional Privado e Público e Direito Constitucional na Universidade Eduardo Mondlane em Maputo, Moçambique. Trabalhou como geómetra em Angola e leccionou em Maputo, sendo também Consultor Legal Sénior, num gabinete de advocacia na capital moçambicana. 
Foi consultor em Direito Internacional Público e Direito Constitucional junto do Parlamento Moçambicano e membro do grupo que elaborou a reforma legislativa sobre o Empreendedorismo em Moçambique. Iniciou um mestrado sobre “Direito Consuetudinário de Timor-Leste – a sua relação com a Lei Formal”, que interrompeu para regressar ao seu país em Outubro de 1999.
Passou a sua vida adulta a divulgar a injustiça da ocupação indonésia, após a Revolução dos Cravos em Portugal, e a corajosa luta do seu povo pela independência e liberdade.
Foi um dos membros fundadores da FRETILIN, o movimento de resistência e guerrilha que se tornou depois em partido. Nomeado primeiro-ministro de Timor-Leste em Maio de 2002, demitiu-se em Junho de 2006, no decurso de uma grave crise política, em que foi acusado de ter utilizado unidades do exército para eliminar fisicamente alguns adversários políticos.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

BROA DE AVINTES (quadras)

BROA DE AVINTES 2013
(quadras)
1
Porque sou interesseiro,
Vou casar com a padeira.
Quero ter o ano inteiro
A broa à cabeceira.
2
Com formato diferente
E sabor sem igual,
Avintes oferece à gente
A “Broa de Portugal”.
3
Barqueira que vais no Douro,
Levando a broa à Ribeira,
Vales mais do que um tesouro,
Que uma jóia verdadeira!
4
Desde o moleiro à padeira,
Com crenças, rezas e preces,
Faz-se a broa verdadeira
Que tu nunca mais esqueces.
5
Centeio e água pura,
Fabrico artesanal,
Seis horas de cozedura:
- Eis a broa divinal!

 Gabriel de Sousa

QUADRAS SOLTAS



Seja de noite ou de dia,
Em todas as circunstâncias,
Música faz companhia
Acalmando nossas ânsias.

Recebi da minha Filha
Uma prenda apetecida:
- Meus Netos são uma ilha
No mar revolto da Vida.

Meu desejo mais profundo
É que a nossa juventude
Consiga mudar o Mundo
E fazer o que eu não pude!

Gabriel de Sousa

NB – Menções Honrosas nos XXI Jogos Florais do Outono – 2013 – Monforte

QUADRA

Se Terra rima com Guerra
E Esperança com Criança,
Não haja Guerra na Terra
Nem Criança sem Esperança!

Gabriel de Sousa

NB – 1º Prémio nos XXI Jogos Florais do Outono – 2013 – Monforte

FOLHAS



FOLHAS

No Outono, olho as folhas das árvores
e os seus mil tons verde-acastanhados.
Em breve estarão secas, bem recortadas,
cairão e serão arrastadas pelo vento, sem destino…

Penso nelas ao folhear a minha agenda no fim de cada ano.
Algumas páginas lembram-me pessoas que ainda cá estão.
Outras, imaculadamente brancas,
lembram-me que naquele dia nada aconteceu,
que vim do Nada e no Nada me tornarei.
Outras ainda, aparentemente virgens,
estão prenhas de belas recordações:
nada lá está mas, no entanto,
ao folhear a agenda, em breve caduca,
recordo amigos que desapareceram
e pessoas queridas que habitaram o meu coração.
O número, a data, servem de código imaginativo
para rever episódios há muito tempo arquivados
nas gavetas invisíveis da minha memória.

Como as árvores, elas deram-me paz e amizade.
Como as folhas, vi-as esvoaçar e desaparecer sem destino.
Mas estas não poderão reverdecer…
…Viverão apenas como pensamentos, sombras e sonhos,
até o ciclo da minha vida se acabar.  

Gabriel de Sousa

NB – Menção Honrosa nos XXI Jogos Florais do Outono – 2013 – Monforte

LÁGRIMA



LÁGRIMA 

 Ouço o sussurro de cada onda,
Que vem beijar docemente
A nossa praia,
E escondo discretamente
As pequenas medusas
Receando que, ao vê-las,
Te possas amedrontar.
Tu és quem,
Pela ordem natural das coisas,
De mim mais tempo te vais recordar.
Asseguro que no instante final
Partirei pensando em ti.
Quererei sentir, apenas e só,
A dor de te deixar
E ela valerá por todas as outras.
Imagina nesse momento
Que fui apenas um balão,
Afastando-se…
Cada vez mais pequeno,
Até desaparecer no azul infinito.
Fui apenas um sonho que acabou,
Um incêndio que se apagou,
Uma gota de água que se evaporou,
Uma pérola que se estilhaçou,
Uma lágrima que secou.
Relembra o teu avô, sobretudo,
Como alguém
Que intensamente te amou.

Gabriel de Sousa

NB - 2º Prémio nos XXI Jogos Florais do Outono – 2013 – Monforte

25 DE NOVEMBRO - JOSÉ LEON MACHADO



EFEMÉRIDEJosé Leon Machado, de seu verdadeiro nome José Barbosa Machado, escritor português e professor de Semiótica e de Língua e Cultura Portuguesas na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, nasceu em Braga no dia 25 de Novembro de 1965.
Filho de pais operários, frequentou a Escola Primária de Mire de Tibães (1972/76), a Escola Preparatória Dr. Francisco Sanches (1976/78), a Escola Secundária de Sá de Miranda (1978/81) e o Seminário Conciliar de Braga (1981/86).
Licenciou-se em Humanidades pela Faculdade de Filosofia de Braga, em 1991. Começou a trabalhar como professor na Escola Secundária de Vila Verde. Em 1997, terminou o mestrado em Língua e Literatura Portuguesas na Universidade do Minho. Em 1999, foi como professor assistente para a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, onde fez o doutoramento em Linguística Portuguesa (2002).
Tem-se evidenciado como contista, com três colectâneas publicadas: “Fluviais” (2001), “Os Incompatíveis” (2002) e “Jardim sem Muro” (2007); e como romancista de ambientes históricos: “O Guerreiro Decapitado” (cuja acção se passa no século I, durante a colonização romana do território que actualmente corresponde a Portugal), “Memória das Estrelas sem Brilho” (sobre a participação dos portugueses na Grande Guerra), “A Vendedora de Cupidos” (que se passa no contexto da Segunda Guerra Mundial) e “Vórtice” (centrado nos finais do século XV, no momento em que Bartolomeu Dias chegou ao Cabo das Tormentas). Os romances “O Cavaleiro da Torre Inclinada” (2009) e “A Planta Carnívora” (2011) reflectem a experiência do autor como professor universitário.
Colabora em vários jornais e revistas, com crónicas, contos e artigos de crítica literária. Tem ganho vários prémios, de que se destacam o Prémio Edmundo Bettencourt 2001 da Câmara Municipal do Funchal com a obra “Os Incompatíveis” e o Grande Prémio de Literatura DST 2002 com o livro “Fluviais”.

MÚSICA COM COPOS DE CRISTAL

domingo, 24 de novembro de 2013

24 DE NOVEMBRO - ÓSCAR CARMONA



EFEMÉRIDE – António Óscar de Fragoso Carmona, político e militar português, presidente do Ministério (primeiro-ministro) e 11º presidente da República Portuguesa (primeiro da ditadura e primeiro do Estado Novo), nasceu em Lisboa no dia 24 de Novembro de 1869. Morreu na mesma cidade em 18 de Abril de 1951, encontrando-se sepultado no Panteão Nacional.
Estudou no Colégio Militar em Lisboa, entre 1882 e 1888, e na Escola do Exército, entre 1889 e 1892, de onde saiu como Oficial de Cavalaria.
Republicano, iniciado na Maçonaria (1894/1906), foi nomeado membro da Comissão de Reestruturação do Exército pelo governo revolucionário republicano, em 15 de Outubro de 1910.
Foi instrutor da Escola Central de Oficiais (1913/14); Director da Escola Prática de Cavalaria de Torres Novas (1918/22); Comendador da Ordem Militar de Avis (1919); Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (1919); Comendador da Ordem Militar de Cristo (1919); Comandante da 4ª Divisão situada em Évora (1922/25); ministro da Guerra no governo de Ginestal Machado (1923); e Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis (1925).
Na sequência do golpe militar de 28 de Maio de 1926, de que foi um dos líderes, foi ministro da Guerra e ministro dos Negócios Estrangeiros, pasta que acumulou com a de presidente do Ministério, com o derrube do general Gomes da Costa em Julho de 1926. Foi escolhido para presidente da República em Novembro do mesmo ano.
Em 1927, nomeou Salazar como ministro das Finanças e, em 1932, nomeou-o presidente do Ministério, com poderes superiores aos seus. Renomeado presidente da República em 1928, ainda durante a ditadura militar, Óscar Carmona deu início ao período denominado Ditadura Nacional. Já na vigência da Constituição de 1933, foi reconduzido em 1935, 1942 e 1949, não concluindo o último mandato por ter falecido.
Em Abril de 1930, foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem dos Santos Maurício e Lázaro de Itália. Abandonara entretanto a Maçonaria, tendo – em 1935 – assinado mesmo uma lei que a ilegalizou em Portugal. Tendo atingido o posto de General em 1922, foi-lhe atribuído o título honorífico de Marechal do exército em 1947.

sábado, 23 de novembro de 2013

23 DE NOVEMBRO - HERBERTO HÉLDER



EFEMÉRIDEHerberto Hélder de Oliveira, poeta e ficcionista português de ascendência judaica, nasceu no Funchal em 23 de Novembro de 1930.
Frequentou a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, tendo trabalhado em Lisboa como jornalista, bibliotecário, editor, tradutor e apresentador de programas de rádio. Colaborou em diversas publicações, como “Graal” e “Pirâmide”.
A sua escrita começou por se situar no âmbito de um surrealismo tardio. Em 1964, organizou com António Aragão o “1º Caderno Antológico de Poesia Experimental", marco histórico da poesia portuguesa.
Viajou por diversos países da Europa, realizando trabalhos sem nenhuma relação com a literatura e, em 1971, foi redactor da revista “Notícia” em Luanda, Angola.
É considerado um dos mais originais poetas vivos de língua portuguesa. Figura misantropa, paira em torno de si uma atmosfera algo misteriosa, uma vez que recusa prémios e se nega a dar entrevistas. Em 1994, foi o vencedor do Prémio Pessoa, que recusou.
Entre as suas obras, salienta-se “Os Passos em Volta”, um livro de contos, e “Photomaton e Vox”, uma colectânea de ensaios, textos diversos e também vários poemas. “Poesia Toda” é o título de uma antologia pessoal dos seus livros de poesia que tem sido depurada ao longo dos anos.

CLIFF E OS SHADOWS

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

22 DE NOVEMBRO - ISABEL DE HERÉDIA



EFEMÉRIDEIsabel Inês de Castro Curvello de Herédia de Bragança, esposa de D. Duarte Pio de Bragança, pretendente ao trono real de Portugal, nasceu em Lisboa no dia 22 de Novembro de 1966.
É filha do arquitecto Jorge de Herédia, bisneto do visconde da Ribeira Brava. Viveu entre Portugal e Angola até 1975, altura em que a família se mudou para São Paulo, no Brasil.
No Brasil, frequentou o ensino básico no Colégio São Luís, em São Paulo. Em 1990, licenciou-se em Administração de Empresas na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Nesse mesmo ano, regressou a Portugal e iniciou a sua actividade profissional numa empresa financeira, a BMF – Sociedade de Gestão de Patrimónios, S.A., onde esteve até 1995.
Em 13 de Maio de 1995, casou – no Mosteiro dos Jerónimos – com D. Duarte Pio de Bragança, que reivindica o título de duque de Bragança. A cerimónia foi presidida pelo cardeal António Ribeiro, já falecido. Do casamento, nasceram três filhos.
Prescindiu da anterior actividade profissional para atender às suas novas exigências familiares e protocolares. Tem patrocinado diversas instituições de caridade, especialmente as ligadas à ajuda e apoio a crianças desfavorecidas ou com problemas de saúde (especialmente síndroma de Down). Isabel de Herédia é grã-mestre da Ordem Real de Santa Isabel.

INACREDITÁVEL!!


quinta-feira, 21 de novembro de 2013

21 DE NOVEMBRO - JOÃO GONÇALVES ZARCO



EFEMÉRIDEJoão Gonçalves Zarco, navegador e explorador português, morreu no Funchal em 21 de Novembro de 1467. Nascera em 1390.
Pouco se conhece de concreto sobre os antecedentes de Zarco, sendo provável que tenha estado na conquista de Ceuta em 1415 e que os bons serviços então prestados tenham sido decisivos na sua escolha, pelo Infante D. Henrique, para liderar o projecto de colonização da Madeira, até então despovoada, coberta de florestas e apenas usada esporadicamente para abastecimento de água e descanso das tripulações de navios que por ali eventualmente passavam.
Sendo criado do Infante D. Fernando, Zarco terá participado na tomada de Ceuta em Agosto de 1415. Teria sido, depois, armado Cavaleiro da Casa do Infante D. Henrique e nomeado comandante de uma embarcação, cuja missão era patrulhar a costa sul de Portugal, zona onde eram frequentes actos de pirataria. Assim, cedo se tornou mestre na arte de marear, reconhecendo – em 1418 – a ilha de Porto Santo (juntamente com Tristão Vaz Teixeira) e, no ano seguinte, a ilha da Madeira. Presume-se que tenha sido arrastado para a ilha de Porto Santo quando se preparava para explorar a costa da África e atingir a Guiné, numa viagem a mando do Infante. Voltado a Portugal, persuadiu D. Henrique das vantagens em povoar e aproveitar os recursos daquelas ilhas e ali regressou.
Do Porto Santo, Zarco passou à ilha da Madeira, a cujo povoamento deu início em 1425. Na qualidade de homem da casa do Infante, participou no cerco de Tânger em 1437. Depois, de volta à Madeira, aproveitando as ricas matas, fez construir navios com os quais auxiliou o Infante nas suas expedições de «descobrimentos para além do Cabo Bojador».
Em Julho de 1460, por Carta de Concessão de D. Afonso V, passou a ostentar também o sobrenome de Câmara de Lobos, derivado da designação atribuída pelo navegador a um local da ilha da Madeira, junto do Funchal, onde desembarcou e se abrigou, descobrindo grande quantidade daqueles animais.
Era casado com Constança Rodrigues, de quem teve sete filhos. Os seus descendentes mantiveram o apelido “Câmara”, mas aboliram “de Lobos”. Faleceu no Funchal, em ano não confirmado (1467 ou 1471?), sendo sepultado na Capela de Nossa Senhora da Conceição, que ele próprio mandara construir em 1430.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

20 DE NOVEMBRO - CELSO FURTADO



EFEMÉRIDECelso Monteiro Furtado, economista e um dos mais destacados intelectuais do Brasil no século XX, morreu no Rio de Janeiro em 20 de Novembro de 2004. Nascera em Pombal, Paraíba, no dia 26 de Julho de 1920. As suas ideias sobre o desenvolvimento e o subdesenvolvimento divergiam das teorias dominantes na sua época e enfatizavam o papel do Estado na economia, com a adopção de um modelo de desenvolvimento económico keynesiano. Celso Furtado é considerado o maior economista brasileiro de sempre.
Estudou no Liceu Paraíbano e no Ginásio Pernambucano do Recife. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1939. No ano seguinte, ingressou na Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, tendo concluído o bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais em 1944, ano em que foi convocado para integrar a Força Expedicionária Brasileira em Itália.
Entre 1946 e 1948, fez o doutoramento em Economia na Universidade de Paris-Sorbonne, com uma tese sobre a economia brasileira no período colonial. Voltou ao Brasil para trabalhar no DASP e na Fundação Getúlio Vargas.
Em 1949, mudou-se para Santiago do Chile, onde integrou a recém-criada Comissão Económica para a América Latina, órgão das Nações Unidas que se tornaria, naquele período, um centro de debates sobre os aspectos teóricos e históricos do desenvolvimento.
Regressou ao Brasil na década de 1950, presidindo o Grupo Misto CEPAL-BNDES, que elaborou um estudo sobre a economia brasileira, que serviria de base para o Plano de Metas do governo de Juscelino Kubitschek. Mais tarde, foi convidado pelo professor Nicholas Kaldor para o King's College da Universidade de Cambridge, Inglaterra, onde escreveu “Formação Económica do Brasil”, um clássico da historiografia económica brasileira.
De novo no Brasil, criou – a pedido do presidente Kubitschek – em 1959, a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste. Em 1962, no governo de João Goulart, foi nomeado ministro do Planeamento, elaborando o Plano Trienal que visava a luta contra a hiperinflacção.
Depois do golpe militar de 1964, o Acto Institucional nº 1 incluiu Celso Furtado numa primeira lista de personalidades que perdiam os direitos políticos durante dez anos. Em Abril de 1964, foi para Santiago do Chile, a convite do Instituto Latino-Americano para Estudos de Desenvolvimento. Em Setembro do mesmo ano, mudou-se para New Haven, nos Estados Unidos, assumindo o cargo de pesquisador graduado do Instituto de Estudos do Desenvolvimento da Universidade de Yale. No ano seguinte, foi para Paris, onde – durante vários anos – foi professor efectivo de Economia do Desenvolvimento e Economia latino-americana na Faculdade de Direito e Ciências Económicas da Sorbonne, dedicando-se também a actividades de ensino e pesquisa nas Universidades de Yale e de Columbia, nos EUA, e na Universidade de Cambridge, na Inglaterra. Na década de 1970, viajou por diversos países, em missão das Nações Unidas ou como professor-visitante, e dedicou-se intensamente à redacção e publicação de vários livros.
Foi beneficiado pela amnistia decretada em Agosto de 1979, regressando à militância política no Brasil, que passou a visitar com frequência. Conciliou estas actividades com as tarefas académicas, como director de pesquisas da École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris).
Em 1981, filiou-se no Partido do Movimento Democrático Brasileiro. Em 1985, foi convidado para participar na Comissão do Plano de Acção do governo Tancredo Neves e, logo em seguida, foi nomeado embaixador do Brasil junto da Comunidade Económica Europeia, mudando-se para Bruxelas. De 1986 a 1988, foi ministro da Cultura do governo José Sarney, tendo criado a primeira legislação de incentivos fiscais à cultura. Nos anos seguintes, retomou a vida académica e participou em diferentes comissões internacionais. Foi eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1997.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

PEDRA FILOSOFAL ( António Gedeão) - MANUEL FREIRE


19 DE NOVEMBRO - MÁRIO BARRADAS



EFEMÉRIDEMário de Melo dos Santos Barradas, encenador e actor teatral português, morreu em Lisboa no dia 19 de Novembro de 2009. Nascera em Ponta Delgada, em 7 de Agosto de 1931. Foi uma das figuras mais marcantes do panorama teatral português, após a Revolução dos Cravos (1974).
Mário Barradas começou a interessar-se pelo teatro quando estudava no Liceu Nacional Antero de Quental, em Ponta Delgada. Entre 1949 a 1954, licenciou-se em Direito na Universidade de Lisboa e, em 1954, fez a sua primeira encenação com a peça “O Mestre-escola” de Keita F., um grande poeta da Guiné Conacri, com tradução de Mário Pinto de Andrade. Entretanto, declamava poemas em diversos locais: Casa dos Estudantes do Império, Cooperativa dos Trabalhadores de Portugal, etc.
Em 1956, como militar, partiu para Timor e aí montou também alguns espectáculos, entre os quais “A Farsa de Mestre Pathelin” de autor anónimo do século XV.
Em 1962, partiu para Moçambique, onde fundou o Teatro de Amadores de Lourenço Marques e, até Abril de 1969, montou e interpretou 19 textos de teatro de Giraudaux, Cervantes, Lorca, Brecht e outros dramaturgos. Exerceu advocacia nesse período.
Em Outubro de 1969, com uma bolsa da Fundação Gulbenkian, ingressou – como aluno – na Escola Superior de Arte Dramática do Teatro Nacional de Estrasburgo, onde – em 1971 – foi convidado para professor assistente. Em Junho de 1972, a convite da Dra. Madalena Perdigão, dirigiu o espectáculo final dos primeiros alunos da “nova reforma” do Conservatório Nacional, tendo – a partir de Outubro – passado a dirigir o mesmo conservatório.
Ligou-se entretanto ao grupo de teatro independente Os Bonecreiros. A partir de Maio de 1974, iniciou – com Norberto Ávila – a preparação da primeira Companhia da Descentralização Teatral em Portugal e, em Janeiro de 1975, fundou o Centro Cultural de Évora, mais tarde Centro Dramático de Évora, com sede no Teatro Garcia de Resende.
Encenou entretanto espectáculos em Viana do Castelo, Porto, Braga, Vila Real de Trás-os-montes, Covilhã, Coimbra, Açores e em diversos outros locais. Dirigiu cursos de formação de actores em inúmeras localidades do país. Em Évora, fundou – com o encenador Luís Varela – a Escola de Formação Teatral.
Encenou e interpretou textos de Aristófanes, Molière, Corneille, Mérimée, Büchner, Marivaux, Shakespeare, Goldoni, Tchekov, Gil Vicente, Sá de Miranda, Chiado, Garrett, Raul Brandão, etc. Fundou o Teatro da Malaposta, com José Peixoto e José Martins.
Foi presidente do IPAE, indigitado em 1997 pelo professor Manuel Maria Carrilho, cargo de que se veio a demitir. Foi director da revista “Adágio”. Com a sua acção, Mário Barradas deu um contributo activo e fundamental para o desenvolvimento do panorama teatral português durante décadas, razão pela qual recebeu a Medalha de Ouro da Cidade de Évora, a Medalha de Mérito Cultural do Ministério da Cultura e, em 1987, foi agraciado pelo presidente da República com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural.
A sua morte inesperada impediu-o de concretizar o último projecto em que trabalhou com grande entusiasmo: a encenação de “Troilus e Créssida” de William Shakespeare, co-produção entre a Companhia de Teatro de Almada, a Companhia de Teatro do Algarve e a Companhia de Teatro de Braga, cuja estreia estava prevista para Abril de 2010. Em sua substituição e em sua homenagem, a peça foi encenada pelo actor e encenador suíço Michel Kullemann, com cenografia e figurinos de Christian Ratz, cenógrafo francês do Teatro Nacional de Estrasburgo.
Na autobiografia que escreveu, pode ler-se o seguinte período, já na parte final: «Duas últimas observações. Partilho a ideologia marxista-leninista e tenho nojo daquilo em que Portugal se está a transformar. Sou um homem de teatro, actor e encenador, mas nunca me misturei com o que considero o gosto do dinheiro, o facilitismo e a falta de rigor».

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

18 DE NOVEMBRO - LINDA EVANS



EFEMÉRIDELinda Evans, de seu verdadeiro nome Linda Evanstand, actriz norte-americana, conhecida sobretudo pelos seus papéis em séries televisivas, nasceu em Hartford, Connecticut, no dia 18 de Novembro de 1942.
Foi descoberta, ao acompanhar uma amiga que ia fazer um casting numa empresa de publicidade. Começou na televisão, com a série “Bachelor Father” ao lado de John Forsythe (1960) e, no cinema, com o filme “O Motel do Crime” com Richard Chamberlain (1963). Entre os seus papéis mais famosos, saliente-se Audra Barkley na série “The Big Valley” (1965/69) e Krystle Carrington em “Dynasty” (1981/89). No fim desta última série, a sua presença nos ecrãs começou a tornar-se rara, passando a dedicar-se a uma outra sua paixão, a de militante ecológica, e também à gestão de ginásios de fitness.
Já foi casada duas vezes. O seu segundo casamento (1968/84) foi com o produtor de cinema e ex-marido de Ursula Andress, John Derek. Linda Evans teve depois um relacionamento de nove anos com o músico grego Yanni (1989/98).
Aparece regularmente nas listas das mais belas mulheres dos Estados Unidos. Já foi capa da revista “Playboy” em duas ocasiões, a primeira em 1972 e, depois, em 1982, já com quarenta anos. Na primeira destas vezes, posou nua, fotografada pelo seu marido John Derek.
Tem uma estrela na Calçada da Fama em Hollywood. Actualmente, reside em Tacoma, Washington, administrando uma cadeia de ginásios. Foi convidada para o casamento do príncipe Carlos de Inglaterra com Camilla Parker, em 2005.

domingo, 17 de novembro de 2013

17 DE NOVEMBRO - SOPHIE MARCEAU



EFEMÉRIDESophie Marceau, de seu verdadeiro nome Sophie Danièle Sylvie Maupu, actriz e realizadora francesa, nasceu em Gentilly no dia 17 de Novembro de 1966.
Filha de um camionista e de uma empregada de cervejaria divorciados, com 13 anos de idade e sem nenhuma experiência, decidiu participar num casting para escolha de actores para um filme juvenil. A sua beleza, com traços fortes e angelicais, granjeou-lhe a admiração do realizador que pressentiu de imediato ter ali a protagonista que procurava. Em 1981, com apenas 14 anos, Sophie protagonizou “La Boum”, filme para adolescentes que teve grande sucesso em toda a Europa. Tornou-se rapidamente um ídolo da juventude e passou a aparecer em capas de revistas. “La Boum” teve uma sequência em 1982 e lançou a sua carreira. Aos 16 anos, era já considerada uma grande actriz-revelação, conquistando o César de Melhor Actriz Estreante.
Sophie dedicou-se quase exclusivamente a produções francesas, tendo actuado ao lado de Jean-Paul Belmondo, Gérard Depardieu e Catherine Deneuve, entre outros actores de nomeada. Também nessa época (anos 1980), conheceu e casou-se com o produtor e realizador Andrzej Zulawski que a dirigiu em dois filmes. No início da década de 1990, começou a chamar a atenção do público de todo o mundo, que a considerava uma das actrizes mais belas da época. Os filmes “Fanfan”, “Sonho de Uma Noite de Verão” e “A Filha de D’Artagnan”, deram-lhe muita popularidade.
Foi então que Mel Gibson a convidou para participar na superprodução “Braveheart – Coração Valente”. O filme, que conquistou vários Oscars, deu-lhe grande visibilidade internacional. Em 1999, interpretou a “bond girl” Elektra King no filme “007 – O Mundo Não É o Bastante”.
A partir de 2002, passou a dedicar-se à realização, escrevendo e dirigindo filmes como “Parlez-moi d’amour” (Prémio de Encenação no Festival de Montreal) e “L'Aube à l'envers”. Continuou a dar prioridade ao cinema francês, recusando vários papéis em Hollywood.
Em 2008, foi cabeça de cartaz da produção francesa “Les Femmes de l'ombre”, que retratou as resistentes francesas na 2ª Grande Guerra Mundial. No ano seguinte, fez o papel de Anne, mãe de uma adolescente rebelde de 16 anos, no filme “LOL”, um grande sucesso de bilheteira, com quase 4 milhões de entradas vendidas só em França.
Paralelamente à sua carreira cinematográfica, tem-se dedicado à pintura e ao canto. Divorciou-se de Zulawski após 17 anos de vida em comum e contraiu matrimónio com o produtor Jim Lemley. É – desde 2009 – companheira do actor Christophe Lambert, que conheceu dois anos antes e pelo qual se apaixonou.
Em 2002, foi condecorada com o grau de Oficial da Ordem das Artes e das Letras. É madrinha da Associação Arco-íris, que se dedica a realizar os sonhos de crianças vítimas de doenças graves. Ocupa-se igualmente da protecção dos animais. Tem um contrato publicitário com a Dior para representar os produtos “Dior Beauté” na Ásia e um outro com o famoso joalheiro Chaumet.

sábado, 16 de novembro de 2013

"UMA VOZ QUE VEM DO MAR"

(Montagem de Fátima de Souza - Bahia)

16 DE NOVEMBRO - JOANA SANTOS



EFEMÉRIDEJoana Santos, actriz e modelo portuguesa, nasceu em Lisboa no dia 16 de Novembro de 1985.
Antes de ser actriz, fez alguns trabalhos como manequim e foi através da sua agência que veio a fazer um casting, que mais tarde lhe abriu as portas para o mundo da representação.
Estreou-se na televisão com a novela da TVIFala-me de Amor”, gravada em 2006. Em 2007, prosseguiu – no mesmo canal – com a produção “Ilha dos Amores”.
Em 2008, mudou-se para a SIC, integrando o elenco da série juvenil “Rebelde Way”. Em 2009, transferiu-se provisoriamente para a RTP, onde fez a série humorística “Um Lugar Para Viver”. No mesmo ano, participou na série policial “Cidade Despida”. No ano seguinte, interpretou o seu maior papel, na novela ”Laços de Sangue”. Ainda em 2010, ganhou o Prémio Revelação “TV7Dias” e foi nomeada para o Prémio Revelação, nos Globos de Ouro, o maior evento português para atribuição de prémios.
Em 2011, iniciou-se no cinema, como protagonista do filme “O Que Há De Novo No Amor?”. Antes, em 2005, tinha sido figurante na película “Alice”. Foi capa da revista “GQ”.
Em 2012, protagonizou o remake da telenovela “Dancin' Days”. Estreou-se depois no teatro, na peça “No Campo” de Martin Crimp, com encenação de Pedro Mexia (Teatro Turim, 2013).

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

15 DE NOVEMBRO - ANA CAROLINA RESTON MACAN



EFEMÉRIDEAna Carolina Reston Macan, modelo brasileira de origem libanesa, morreu em 15 de Novembro de 2006. Nascera em Jundiaí no dia 4 de Junho de 1985. Ficou conhecida por ter sido vítima de complicações graves decorrentes da anorexia, que a levaram à morte.
Ana Carolina tinha por origem uma família da classe média. De acordo com familiares, sonhava ser modelo desde criança. Após vencer um concurso de beleza realizado no interior de São Paulo, foi descoberta por uma “olheira” de uma agência de modelos e começou a desfilar aos 13 anos. Trabalhou no Brasil, no Japão, na Turquia, no México, em França e na China, país onde a obsessão que já tinha se transformou em doença, quando lhe disseram que estava “muito gorda”.
Representou as agências Ford Elite e L‘Équipe e fez publicidade para marcas de prestígio, como Georgio Armani. Com 1,70 de altura, pesava 46 quilos e mesmo assim tomava remédios para emagrecer. Chegou a pesar 42 quilos, alimentando-se unicamente de maçãs e de tomates. Após tratamento psicológico, voltou a pesar 46 kg. Embora continuasse o tratamento à anorexia, persistiu nas dietas e acabou por ser internada em 25 de Outubro de 2006, com um diagnóstico de insuficiência renal. Em consequência da anorexia nervosa, a pressão arterial alterou-se de tal modo que passou a ter dificuldades em respirar. O quadro clínico evoluiu então para uma infecção generalizada e para a morte. Quando morreu, pesava 40 kg e o seu IMC (Índice de Massa Corporal) era apenas 13,52, quando o ideal é 18,5, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Abaixo de 16, é considerado sinal de fome.
Ana Carolina foi a segunda modelo a morrer por causa de complicações anoréxicas. A primeira foi Luisel Ramos, uma uruguaia de 22 anos, que – em Agosto de 2006 – foi vítima de crise cardíaca, causada por uma dieta de três meses composta exclusivamente de alface e bebidas light.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...